História

O Museu Olívio Otto surge em 1957, quando do falecimento de Antonio Carlos Otto (Negrão), filho de Olivio Otto, em um acidente de avião. Restou da aeronave Paulistinha uma ponta de asa, recolhida pelos familiares e guardada pelo pai, que junto aos demais pertences do filho, deu início à coleção particular, composta por objetos representativos da história política, econômica e social e de ciências naturais, da localidade e da região. Em 1972, a coleção, já com cerca de 6 mil peças, passa à institucionalização, sob responsabilidade da prefeitura de Carazinho com a denominação de Museu Regional do Planalto.

Em 1978, teve a denominação alterada para Museu Municipal Pedro Vargas, numa homenagem ao fundador da cidade. Em 1991 Olívio Otto vem a falecer e teve seu trabalho ainda mais reconhecido quando, em 1995, através de um decreto municipal tem seu nome alterado para Museu Regional Olívio Otto.

O museu hoje

O século XXI inicia e traz ações especializadas ao museu, que conta com mais de 20 mil peças de acervo. Em julho de 2007 começa a ser desenvolvido o Projeto de Gestão e Qualificação do Museu Olivio Otto, que além da transferência de local profissionaliza esse espaço conforme as novas diretrizes museólogicas e o Novo Estatuto dos Museus(Lei nº11.904/09).

Em julho de 2008, o museu é reinaugurado em sua nova sede, e por ter sua definição temática centrada na história local passa a denominar-se MUSEU OLIVIO OTTO.

Atualmente, ligado à Secretaria Municipal de Educação e Cultura através de seu Departamento de Cultura, o museu estrutura-se, em virtude da diversidade e ecleticidade de acervo em dois núcleos: Núcleo de História e Cultura e Núcleo de Ciências Naturais, além do setor de Salvaguarda e Conservação do Acervo e Extensão e Ação Educativa.

Quem foi Olívio Otto?

Foi Comissário de Polícia, Delegado da cidade, interventor municipal durante a Segunda Guerra Mundial, criador do Tiro de Guerra, trabalhou em hidrelétricas de Mata Cobra e Colorado, comandou a abertura do túnel de Pinhalzinho ,fundou e foi membro da Banda Carazinhense, foi Rei Momo no Carnaval, cuidou do Parque Municipal, incentivou o aeroclube, foi sócio fundador do clube Veterano, primeiro professor de Educação Física do Colégio La Sallle, foi patrão do CTG Pedro Vargas, criador do Museu da cidade.